O Vate

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Vate
por Gonçalves Dias
Publicado no livro Primeiros Cantos (1846).


No Álbum de um Poeta

Moi. . . j'aimerai la victoire;

Pour mon coer, ami de toute gloire,
Les triomphes d'autrui ne sont pas un affront.
Poète, j'eus toujours un chanl pour les poétes,
Et jamais le laurier qui pare d'autre têtes
Ne jeta d'ombre sur mon front.

-- V. Hugo


Vate! Vate! que és tu? - Nos seus extremos
Fadou-te Deus um coração de amores,
Fadou-te uma alma acesa borbulhando
Ardidos pensamentos, como a lava
Que o gigante Vesúvio arroja às nuvens.

Vote! vote! que és tu? - Foste ao princípio
Sacerdote e profeta;
Eram nos céus teus cantos uma prece,
Na terra um vaticínio.
E ele cantava então: - Jeová me disse,
Majestoso e terrível.

"Vês tu Jerusalém como orgulhosa
"Campeã entre as nações, como no Líbano
"Um cedro a cuja sombra a hissope cresce?
"Breve a minha ira transformada em raios
"Sobre ela cairá;
"Um fero vencedor dentro em seus muros
"Tributária a fará;
"E quando escravos seus filhos, sobre pedra
"Pedra não ficará."

E os réprobos de saco se vestiam,
Em pó, em cinza envoltos;
E colando co'a terra os torpes lábios,
E açoitando cu'as mãos o peito imbele,
Senhor! Senhor! - clamavam.

E o vate entanto o pálido semblante
Meditabundo sobre as mãos firmara,
Suplicando ao Senhor do interno d'alma.
Foram santos então. - Homero o mundo
Criou segunda vez, - o inferno o Dante, -
Milton o paraíso, - foram grandes!

E hoje!... em nosso exílio erramos tristes,
Mimosa esp'rança ao infeliz legando.
Maldizendo a soberba, o crime, os vicio;:
E o infeliz se consola, e o grande treme.
Damos ao infante aqui do pão que temos,
E o manto além ao mísero raquítico:
Somos hoje Cristãos.