Obras poeticas de Ignacio José de Alvarenga Peixoto (1865)/A mesma rainha, implorando-lhe a commutação da pena de morte

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
(A’ mesma rainha, implorando-lhe a commutação da pena de morte, que lhe fôra imposta )
por Alvarenga Peixoto
Poema agrupado posteriormente e publicado em Obras poeticas de Ignacio José de Alvarenga Peixoto.
A MESMA RAINHA
IMPLORANDO-LHE A COMMUTAÇÁO DA PENA DE MORTE, QUE
LHE FÔRA IMPOSTA


A paz, a doce mãi das alegrias,
O pranto, o luto, o dissabor desterra;
Faz que s’esconda a criminosa guerra,
E traz ao mundo os venturosos dias;

Desce, cumprindo eternas prophecias,
A nova geração dos céos á terra;
O claustro virginal se desencerra,
Nasce o Filho de Deos, chega o Messias.

Busca um presepio, cahe no pobre feno
A mão omnipotente, a quem não custa
Crear mil mundos ao primeiro aceno.

Bemdita sejas, lusitana augusta!
Cobre o mar, cobre a terra um céo sereno,
Graças a ti, ó grande, ó sabia, ó justa!