Oh! Páginas de vida que eu amava

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
(Oh! Páginas de vida que eu amava)
por Álvares de Azevedo
Poema agrupado posteriormente e publicado em Obras de Manoel Antonio Alvares de Azevedo (1862).

Oh! paginas da vida que eu amava,
Rompei-vos! nunca mais! tão desgraçado!...
Ardei, lembranças doces do passado!
Quero rir-me de tudo que eu amava!

E que doudo que eu fui! como eu pensava
Em mãi, amor de irmã! em socegado
Adormecer na vida acalentado
Pelos labios que eu timido beijava!

Embora — é meu destino. Em treva densa

Dentro do peito a existencia finda...
Pressinto a morte na fatal doença!...

A mim a solidão da noite infinda!
Possa dormir o trovador sem crença...
Perdoa minha mãi — eu te amo ainda!