Oimais quer'eu ja leixá-lo trobar

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Oimais quer'eu ja leixá-lo trobar
por Dom Dinis


Oimais quer'eu ja leixá-lo trobar
e quero-me desemparar d'amor,
e quer'ir algũa terra buscar
u nunca possa seer sabedor
ela de mí nen eu de mia senhor,
pois que lh'é d'eu viver aquí pesar.

Mais Deus! Que grave cousa d'endurar
que a min será ir-me d'u ela for!
Ca sei mui ben que nunca poss'achar
nen ũa cousa ond'haja sabor,
senón da morte; mais ar hei pavor[1]
de mi a non querer Deus tan cedo dar.

Mais se fez Deus a tan gran coita par
come a de que serei sofredor,
quando m'agora houver d'alongar
daquesta terra u ést'[2] a melhor
de quantas son, e de cujo loor
non se pode per dizer acabar.

Notas[editar]

  1. Pavor ou paor, donde os franceses fizera, peur, medo, receio. Neste sentido, se serviu desta palavra o autor do romance de Flamenca, scrito do século XIII, nos seguintes versos:
    Car l'esperança trop segura
    Non a tan de bono sabor
    Con s'il que se mescla ab paor.
  2. Est, terceira pessoa do verbo romano Esser ou seer, é ou he, como agora dizemos.