Página:A Patria Brazileira.djvu/171

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
— 155 —


infantaria do 3° corpo. Foi esse o momento escolhido, já por ser o de maior movimento, e, portanto, agradável ao temperamento, nervoso, irrequieto ephantasista do pintor; já por offerecer ensejo de apresentar aureolados pela mesma gloria, os vultos mais eminentes de nosso exercito».

Pintado na Itália, em 1877, esse quadro recebeu os applausos entlmsiastas do grande mundo artístico euroi)eu, e de cerca de cem mil pessoas, no curto espaço de dezoito dias, na exposição em que esteve em Florença, inaugurada por D. Pedro II; e é, na phrase de um biograplio, «incontestavelmente a obra prima do mestre brazileiro, e no conceito universal uma das mais notáveis da arte moderna».

Imitando o exemplo da Municipalidade de Florença, que graciosamente fizera remover quarenta mil volumes do Convento da Santissima Annunziata, afim de dar a Pedro Américo um salão de tamanho adequado á pintura do painel, o Governo Italiano mandou collocar o retrato do grande artista brazileiro na sala dos pintores celebres na Galeria degli Uffizzi, em Florença.

Retomando a trajectória das glorias de Caxias, bem podereis avaliar deante do que temos exposto quanta razão assistia ao invicto General, para dirigir, ao clarear do dia 21 de Dezembro de 18G8, as seguintes palavras ao Exercito, como prenuncio da grande victoria de Lomas Vallentmas:

«Camaradas! O inimigo tencido i)or vós na ponte de Itororó e no arroio ATahy nos espera em Lomas Vallentinas com os restos de seu exercito. Marchemos sobre elle, e com esta hathallia niuis teremos concluido nossas fadigas e privações.

O Deus dos Exércitos está comnoscol Eia! Marchemos ao combate que a victoria é certa, porque o General e amigo que vos guia ainda até hoje não foi vencido.»