Página:A Patria Brazileira.djvu/363

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
— 343 -


E depois das devidas continências militares pela força naval, o General inglez Lord Dundonald, neto de Lord Gochrane, emocionado, respondeu:

— «Em nome da familia de meu avô, agradeço ã Marinha Brazileira eao Povo Brazileiro este tributo de respeito ásua me7noria».

Ajoelhando-se então os marinheiros, á voz de commando do Tenente Nunes, imitaram-nos todos os assistentes, aos éclios do hymno brazileiro, que prorompeu magestoso e solemne do poderoso órgão da Abbadia.

Terminada a cerimonia, manifestou Lord Dundonald o desejo de passar em revista a pequena força naval, depois do que o Ministro brazileiro, em resposta a palavras do General inglez, dirigiu aos oíRciaes e praças um breve mas eloquente discurso, pondo em relevo a importância e a solemnidade daquella homenagem, que foi commentada pela imprensa ingleza muito lisongeiramente para o Brazil.

A primitiva Armada, confiada a Lord Gochrane para a sustentação de nossa independência, compunha-se dos seguintes navios: — Náo Fedro i., com 74 canhões; fragata Ypiranga, com 54; corvetas Liberal e Maria da Gloria, esta com 32 e aquella com 20; brigue Guarany, com 14; e brigue escuna Real Pedro.

Hoje consta nosso material fluctuante dos seguintes navios:

Engouraçados: — Riachuelo, Deodoro, Floriano, Aquidaban, Rio Grande.

Gruzadores: — Tamandaré, Barroso, Trajano, Republica, Tiradentes, Andrada, Benjamin- Constant.

Torpedeiras: Pedro Affonso, Pedro Ivo, Bento Gonçalves, Silvado.