Página:A escravidão dos negros.pdf/93

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
CONDORCET
89

justo e humano; poria sua gloria em transfórmar seus escravos em homens; e d'elles fórmaria operarios industriosos e rendeiros intelligentes. A esperança de um lucro legitimo e o desejo de tornar mais feliz a existencia de sua familia seriam os unicos estimulos do trabalho, Os castigos, empregados pela avidez e infligidos pelo capricho, seriam então apenas a punição de crimes, e punição decretada por juizes escolhidos pelos proprios negros entre si. Os vicios dos escravos desappareceriam com os do senhor, e, dentro em pouco, este se acharia em meio de amigos dedicados até á paixão, fieis até ao heroismo; e mostraria por seu exemplo, que as terras mais ferteis não são as cultivadas pelos entes mais miseraveis, e que a verdadeira felicidade do homem é a que não é comprada á custa da felicidade de seus irmãos.

     Ao ruido do chicote e aos gritos dilacerantes dos escravos succedariam os doces e ternos sons da fia uta das margens do Nilo. Ao enevz d'esse temor terrivel, d'esse respeito mais humilhante ainda para quem o recebe do que revoltante para quem é constransgido a prestal-o, d'esse espectaculo de servidão, de ferocidade, de prostituição e de miseria, que sua presença teria feito cessar, elle veria brotar em torno de si a simplicidade, grosseira mas ingenua, da vida patriarchal; de todos os lados, familias felizes por trabalhar e repousar reunidas, se offereciam a seus olhares enternecidos. O sentimento da honestidade, do amor á virtude, da amizade, da ternura maternal e filial, todos os sentimentos, emfim, doces e generosos, que