Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/13

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Mas quantas vezes, ao approximar-se, esta esperança lhe foge!

Assim aconteceu a Henrique, que, ao chegar á almejada inflexão e quando esperava principiar emfim a descer para o valle e approximar-se da aldeia, viu que o macho, pratico no caminho, e á disposição de cujo instincto elle collocára a razão, dobrava ainda para a direita e continuava a contornar e a subir o monte. A espiral não terminára ainda. Henrique olhou em torno de si, profundou a vista nas sombras do valle, nada pôde descobrir, que lhe promettesse a aldeia procurada. Muita arvore, povoação nenhuma!

Teve um paroxismo de impaciencia!

― Isto não é estrada! ― exclamou elle, exasperado. ― São os nove circulos do Inferno de Dante virados para fóra.

E a luz do dia a fugir cada vez mais, e a chuva a augmentar, a calar através do grosso gabão de jornada que Henrique vestia! O desgraçado vergava sob o pêso da sua consternação.

Ajuntou-se-lhe outra vez o almocreve, assobiando com fleugma desesperadora.

― Com um milhão de demonios! ― bradou-lhe Henrique, não podendo conter-se. ― Essa maldicta terra foge deante de nós, homem!

― Estamos quasi lá, meu patrão. É alli logo adeante ― respondeu o almocreve, sem se alterar. Vê aquella capellinha branca em cima d’aquelle monte? pois fica já para além da povoação. É a ermida da Senhora da Saude. É um instante.

― Desde as duas horas da tarde que me dizes que é um instante, e eu estou acreditando que cada vez nos afastamos mais. Pois se a aldeia fica alli em baixo, para que diabo subimos nós? Ás voltas que temos dado, estou persuadido de que vamos tão adeantados como quando principiámos a subir.

― Pois olha que dúvida! Se se fôsse a direito lá por baixo, era mais perto, mas...