Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/490

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


e puras a applicar os esforços de intelligencia e de acção para ministrar com a educação a moralidade, e para acordar a consciencia d’esta entidade social.

Era o sr. Joãozinho das Perdizes á frente da sua freguezia, disse eu.

E é justamente este o espectáculo humilhante de que falava.

Tendes visto um guardador de cabras á frente do seu rebanho, conduzindo com acenos e assobios todas as barbudas cabeças d’aquelle regimento quadrupède? Pois vistes o maïs perfeito simile da scena que se presenciava agora no adro da igreja matriz.

O povo, o povo soberano, que n’aquelle dia tinha nas mãos o sceptro da sua soberanía, não era menos dócil do que os irracionaes que recordamos.

O dia em que devia mostrar-se orgulhoso, era quando maïs se humilhava; quando podia dispôr dos destiños dos seus senhores, era quando maïs vergava a cabeça sob o pêso que estes lhe assentavam.

Não é similhante está fôrça inconsciente do povo á do boí robusto e válido, que uma creança dirige e subjuga? Forte como elle, como elle dócil, como elle laborioso, como elle útil, não vê que a mesma fôrça que emprega no trabalho lhe poderia servir para repellir o jugo. Ou quando o vê, é quando o desespero e a furia o cegam e o impellem a revoltas tremendas.

Mas o povo de Pinchões, o povo do sr. Joãozinho, estava muito longe d’esses excessos.

O morgado vinha, como já disse, á frente.

A barba por fazer, as mélénas despenteadas, o lenço do pescoço sôlto, sem botões o collarinho da camisa, com as mãos mettidas no cós das ceroulas, o chicote no bolso da jaqueta de pelles, as botas enlameadas até o joelho, a ponta do cigarro ao canto da bôca, o palito atraz da orelha, o chapéo sobre o occiput, dois galgos adeante de si, e o inseparavel