Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/74

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Chegando ao meio da sala, parou a olhar com estranheza para Henrique.

― É o sr. Henrique de Souzellas ― disse Magdalena. ― O hospede da tia Dorothéa. Esta é Marianna, outra de minhas primas ― accrescentou, voltando-se para Henrique. ― Já vê que não faltam creanças n’esta casa; e ainda ha mais. É o que lhe dá o ar alegre que tem.

Marianna cumprimentou Henrique e não se constrangeu por mais tempo; mostrando á prima a composição que o mestre lhe emendára, disse:

― Ora vê que não tive muitos erros.

Magdalena sorria, examinando o thema.

Henrique ia a fazer não sei que pergunta a Marianna, quando á mesma porta, por onde ella entrára, appareceu o mestre, de quem se falava.

Augusto, que assim se chamava o recem-chegado, era um rapaz de pouco mais de vinte annos de idade; de rosto pallido e physionomia intelligente.

Ninguem adivinharia n’aquelle typo um mestre-escola de aldeia.

Trajava com simplicidade, porém com asseio e gôsto, e havia em toda a sua figura certo ar de distincção, que feria quem pela primeira vez o visse.

N’um leve pendor de cabeça, no olhar penetrante e fixo, e nos labios, como habituados a fecharem-se á saida dos pensamentos intimos, lia-se o caracter pouco expansivo d’aquelle adolescente.

Magdalena dirigiu-lhe a palavra, em tom de manifesta deferencia.

― Como vão os seus discipulos, sr. Augusto?

― Optimamente, minha senhora ― respondeu o interrogado.

― O sr. Augusto ― disse Magdalena, apresentando-o a Henrique ― o primeiro mestre de meu irmão Angelo e hoje mestre de Marianna e Eduardo.

― Esquece-se, minha senhora, ― accrescentou Augusto ― que de Angelo sou discipulo tambem, e mais discipulo do que fui mestre.