Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/84

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
84

― Não averiguemos d’esses parentescos, priminha, ― acudiu Henrique ― eu acceito a proposta da mamã, peço para ser considerado do numero de seus primos.

Christina baixou os olhos, sorrindo.

Henrique proseguiu:

― Mas parece que receiava por mim, quando falou em ir a pé á Senhora da Saude. Não sei onde é o logar, mas desde já me comprometto a não cançar.

― Não tem que saber ― disse D. Victoria, caminhando para uma janella. ― Ella lá está. Olhe que inda é necessario saber trepar.

― Tendo duas tão galantes companheiras de viagem ― tornou Henrique, depois de reparar no monte escarpado que ficava a alguma distancia d’alli, o mesmo que o almocreve lhe mostrou ― parece-me que daria a pé uma volta ao globo e que subiria a correr o Pico de Tenerife.

― O que eu lhe digo, primo ― accrescentou D. Victoria ― é que se acautele, porque se lhes vae a fazer todas as vontades, tem que vêr.

― Inda que morresse em tão agradavel serviço, teria de agradecer a Deus a morte.

― Cá me chegou aos ouvidos o cumprimento ― disse Magdalena, que continuava a ler. ― Logo ajustaremos contas.

― É implacavel esta nossa prima, não acha? ― perguntou Henrique, sorrindo, a Christina, que por unica resposta só soube sorrir tambem.

― Pois então, é arranjarem, é arranjarem isso e quanto antes, que não ha que fiar no tempo. Eu se pudesse tambem ia, mas já não são passeios para mim, e depois estes criados...

Henrique de Souzellas receiou nova divagação sobre o assumpto predilecto de D. Victoria; mas felizmente acudiu-lhe a morgadinha, que disse, terminando a leitura da carta:

― Escreve-me o pae que tenciona vir passar com-