Página:As organizações no ciberespaço.djvu/15

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
6


analisar o ciberespaço como sendo um ambiente que conecta, cataliza e amplifica comportamentos inerentes aos seres racionais no intuito de satisfazerem suas necessidades de forma individual ou coletiva. Ainda observando a força da sociedade civil e seu papel como um ícone a ser analisado para estudar as organizações, esta defronta-se com cenário paradoxal entre suas características políticas iniciais - que advém de valores solidários e cooperativos — e a força do modelo capitalista — que a entrega aos interesses individualistas e competitivos. Outros elementos que aprofundam a questão são a globalização, que condiciona as economias capitalistas mundiais aos mesmos valores da hegemonia neoliberal, e o uso intensivo da tecnologia, apontado como um dos principais fatores para esta consolidação. Entretanto, o ciberespaço acrescenta novas dimensões e potencialidades ao projeto democrático, "os destinos da democracia e do ciberespaço estão intimamente ligados, pois ambos implicam aquilo que a humanidade tem de mais essencial: a aspiração à liberdade e à potência criativa da inteligência criativa." (LEVY, 2002, p.32)

Com um outro foco de análise, de acordo Bauman (2003), toda unidade coletiva precisa ser construída, e um acordo "artificialmente" produzido, pois é a única forma disponível para tal unidade. Porém, o acordo nunca ficará imune à reflexão, contestação e discussão; quando muito atingirá um patamar de "contrato preliminar", um acordo que precisa ser periodicamente renovado, sem que qualquer renovação garanta a renovação subseqüente. De acordo com Bobbio (1987), o contrato é a maneira com que os indivíduos regulamentam suas relações no estado de natureza, ou seja, no estado onde não há um poder público soberano instituído. Ainda nesse modelo, em virtude da enorme capacidade advinda da tecnologia eletrônica, podem ser criadas comunidades que proporcionam uma chance de participação e um foco compartilhado de atenção a uma multidão indeterminada e de espectadores fisicamente remotos. Para Bauman (2003), uma comunidade dos e para os