Página:Chrysalidas.pdf/50

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
- 48 -



«Quando lhe ia o temporal desfeito
De que raio de sol o mantiveste?
E de que flores lhe forraste o leito?»-

Ella, volvendo o olhar brando e celeste,
Disse: — «Varre-lhe a alma desolada,
Que nem um ramo, uma só flor lhe restel

«Torna-lhe, em vez da paz abençoada,
Uma vida de dôr e de miseria,
Uma morte continua e angustiada.

«Essa é a tua missão torva e funerea.
Eu procurei no lar do infortunado
Dos meus olhos verter-lhe a luz etherea.

«Busquei fazer-lhe um leito semeado
De rosas festivaes, onde tivesse
Um somno sem tortura nem cuidado.

«E porque o céu que mais se lhe ennegrece,
Tivesse algum reflexo de ventura
Onde o cançado olhar espairecesse,

«Uma restea de luz suave e pura
Fiz-lhe descer á erma phantasia,
De mel ungi-lhe o calix da amargura.