Página:Da França ao Japão (1879).djvu/214

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
DA FRANÇA AO JAPÃO
161

Segundo um escriptor japonez, eis em que consiste esta seita do Japão que toma o nome de Siouto; e que não é inteiramente semelhante a que os chins professão:

«Nossa doutrina pode-se reduzir em cinco preceitos que se exprimem em outros tantos monosyllabos:

Dsin, viver virtuosamente.

Gi, fazer igual justiça a todos.

, ser amavel e polido.

Tsi, propagar e defender o programma de um bom e sabio governo.

Sim ter uma consciencia pura e um coração justo.

«Não reconhecemos a transmigração das almas; porém acreditamos em uma Alma do mundo, em um Espirito universal, em uma Potencia que existe no espaço, que dá vida a tudo e une as almas ao corpo, como o mar recebe todos os rios e as outras aguas que nelle se despejão.»

«Esta Alma do mundo é o recipiente commum das almas individuaes, que depois de repousarem nos limbos regeneradores, sahem para de novo animarem outros corpos.»

«O que chamamos Ser Supremo, nada mais é, do que este Espirito Universal que possue todas as perfeições e qualidades Divinas.»

«Nós, não fazemos distinção entre o Céo e a natureza, e confundimos nas nossas acções de graças, quando temos necessidade de testemunhar á uma potencia superior nosso reconhecimento pelos dons preciosos que recebemos.»

«Comtudo, alguns dos nossos sectarios admittem um ser intelligente, immaterial, governador e director da Natureza, porém que não é o Creador. Ao contrario, elles pretendem que esta especie de Providencia foi por elle creada. Confundem In e Yo, o Céo e a Terra, um activo e o outro passivo; o primeiro, principio gerador, o outro, principio de corrupção. O Mundo é eterno. Os homens e os animaes forão produzidos pela combinação de In e de Yo com os cinco elementos sublunares.»

11