Página:Diccionario Bibliographico Brazileiro v1.pdf/211

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
186
AN


- PauEina e JuZia: romance - inedito. Diz-se que se extraviou grande parte desta obra. Ha publicadas em revistas e em coUecções algumas poesias' de Teixeira e Souza, como : '- Aos annos de uma menina - Na Minerva Brazilei?'a, tomo 20, pag, 429. },f editaçíJ:o, tradu::;ida de Lamartine. A' Elvira - Idem, tomo 3°, pago 27. ' - A N attlreza: cantico - No Parnaso Brazileiro de J. M. Pereira da Silva, tomo 2°, pags. 237 a 245. - O dia de finados: cantico - Idem, pags. 245 a 252. - A saudade: cantico - Idem, pags. 253 a 259.

Frei Antonio da Graça - Natural do Rio de Janeiro, fa.Ueceu, ha poucos annos, no hospicio de Pedro II, affeotado de alienação mental depois de soffrer de uma paralysia das extremidades inferiores. Era religioso da ordem benediotina; possuia não vulgar erudição; conhecia diversas linguas; oultivava com esmero a litteratura, e escreveu: - Sdrnente maa;imas e refleooóes de um monge leigo, coUigidas e recopilladas em 1870. Rio de Janeiro, 1870. - Distracção poetica por Frei Antonio da Graça. Rio de Janeiro, 1870. - Nova distracçlto (promiscua). Rio de Janeiro, 187i. - Um discurso de sapiencia, seguido de algumas reflexões muito vulgares, colhidas e reproduzidas para um monge leigo. Rio de Janeiro, H171.

- Costumes dos israelitas ou sua maneira de viver: obra importantissima pela sua grande utilidade, e illustração do senhor a!Jbade Claudio Fleury, preceptor e confessor do rei Luiz XV e dos principes de França, irmãos do dito rei; vertida livremente em portuguez de uma traducção castelhana, por um monge leigo. Rio de Janeiro 1873, 216 p~gs.

Antonio Henriques Leal - Nasceu em Itapicurú-mirim, provincia do Maranhão, a 24 de julho de 1828, sendo seus paes Alexandre Henriques Leal e dona Anna ROlla de Carvalho Reis. Formando-se em medicina na faculdade do Rio de Janeiro em 1853, estabeleceu-se na capital de sua provincia, onde foi vereador e presidente da camara municipal, e deputado provincial em 1866; mas transferiu sua residencia para Lisboa depois de uma congestão cerebral, de que foi atacado em 1868, e da qual lhe ficou ainda uma paralysia do braço e perna do lado esquerdo. Depois de residir muitos annos em Lisboa, veiu para o Rio de Janeiro, aqui foi empregado na direcção interina do Diario