Página:Diccionario bio-bibliographico cearense - volume primeiro.djvu/250

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


rechal Manoel Jorge Rodrigues a 21 de Agosto Angelim empunhou o bastão da governança.

O que foi o seu governo não são os contemporâneos que o dirão — é facil de comprehender a energia de um rapaz pouco instruído, cioso de sua autoridade, lutando contra o desenfreamento das paixões dos seus proprios a quem tivera de conter muitas vezes, fazendo-os passar pelas armas.

O que, porém, ninguém contestará é que Eduardo Angelim, docil a paternal intercessão do prelado D. Romualdo de Souza Coelho, protegeu a um grande numero de infelizes condemnados ao roubo a morte e á deshonra.

Um facto releva não esquecer: Eduardo, ao deixar a cidade a 13 de Maio de 1836, quando entrava o General Andréa, entregou a aquelle prelado todo o dinheiro que achou nos cofres públicos.

Foi um funccionario honradissimo. Em um livro inedito que deixou denuncia um outro fado, que não o honrará menos—recusou recursos militares do governo Americano para proclamar a independencia do Amazonas.

Preso posteriormente, esteve dez annos na Ilha de Fernando, onde a instancias de Thephilo Ottoni foi buscal-o a annistia Imperial.

Ha muitos annos quebrado de forças, ralado de desgostos, vivia em seu engenho Madre de Deus onde, foi sua ultima vontade, ordenou que fosse o seu jazigo. Foi o 13 administrador da provinda e falleceu com 68 annos ».

Sobre Eduardo Angelim leam-se os Motins Políticos do Dr. Rayol.


Eduardo Guilherme Oswaldo Studart (Dr.) — Sétimo filho de John William Studart e de D.ª Leonisia de Castro Studart, nasceu em Fortaleza a 1 3/4 horas da manhã de 21 de Outubro de 1863, e foi baptisado a 13 de Março de 1864 na Capella do Palacio Episcopal pelo Bispo D. Luiz Antonio dos Santos, servindo-lhe de padrinhos o mesmo Exm.º Bispo e D.ª Felisbella Wilson, mulher de Eduardo P. Wilson Junior, de Pernambuco, actual Condessa de Wilson.

231