Página:Diva - perfil de mulher.djvu/106

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


fez aos dezoito anos?

— Eu!... Tenho dezoito anos e nunca fiz um só.

— Inspira-os, que é melhor.

— Obrigada! Já lhe inspirei alguns?

— A senhora... D. Emília?...

— A senhora... Por que não me chama Mila? É como me tratam os que me querem bem.

— E Mila chamará Augusto?

— Está entendido! Não é como lhe chamam seus amigos?

— Meus amigos me tratam por tu — disse eu sorrindo.

— Isso não! Quando eu disser tu, é porque não existe mais eu em mim. Porém responda! Já lhe inspirei algum verso?...

— Quantos, meu Deus!

— Mostre-me! Quero ver!

— Mas eu não escrevi! Para quê? Eles não diriam tudo que eu sinto.

— Pois agora há de escrevê-los para mim: sim, Augusto?

— Não, Mila. Eu já não sei, ou antes nunca soube fazer versos. Quando se começa a vida, sente-se essa veleidade; é natural. É o tempo das flores, dos sorrisos e dos cantos. Isso passa.

— Mas por que não há de escrever ainda? Se não quer ser poeta, seja escritor. Não tem ambições? Não ama a glória?

— Amo; a glória da minha profissão, a única a que devo e posso hoje aspirar. É uma glória