Página:Diva - perfil de mulher.djvu/53

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


não ter percebido logo quanto eu a importunava. Que sentido porém tinham aquelas outras palavras — enxerga muito e longe?

Devia ter breve a explicação.

Julinha estava ao piano; conversávamos.

A voz dessa menina tinha não sei quê de bom e mavioso, que penetrava o coração de suaves eflúvios. Era quase sempre ela quem me aplacava as cóleras suscitadas pelos motejos da Duartezinha.

Esta passeava na sala pelo braço de um moço de vinte anos, ridículo arremedo de homem, que a moda transformara num elegante boneco. Emília, na sua fria e incisiva ironia, retratava-o com um monossílabo. Ela dizia por exemplo: — Nós somos um perfeito cavalheiro de sala, Sr. Barbosinha. Nós trajamos no rigor da moda. Este nós era o pronome da fatuidade e efeminação do moço.

Passando por diante do piano, Emília soltou uma risada bem alta e dirigiu-se a Julinha:

— Não lhe parece, prima?

— O quê, Mila?

— Eu dizia aqui ao senhor que a gratidão é um sentimento mesquinho.

— Como mesquinho? Não entendo!

— D. Emília quer dizer que não passa de um fingimento — acudiu o Barbosinha.

— Nós nos enganamos, Sr. Barbosinha! replicou