Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/272

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


836 DOM JOAO VI NO BRAZIL

Abrantes que disfargado em marujo. Seja ou nao exacto este pormenor, o facto e que a 18 de Abril de 1808 recebia Junot do nuncio uma carta que o enchia de espanto e que termi- nava pelas seguintes zombeteiras palavras: (i) "Ainsi done contrarie par mer; effraye par terre; agite par les cris de ma conscience qui me represente sans cesse le Bresil comme le but de mes devoirs sacres (et quel autre pourrai-je en avoir a soixante-dix ans, infirme, et casse ? ) je n ai plus qu un seul parti a prendre, et V. E. n en sera pas surprise. Penetre cependant jusqu au dernier moment par tons les

(1) Papeis particulars do comic do Punchal, dos annos de 1.S07 ate 1809. Lata 11 ua coll. Linbares, na Bibl. Nac. do Rio de .Janeiro. A carta acba-se alias impr<essa na obra Memorte intorno allu ri/a th-l VaM; Lorcnso CaJcppi e ad alcunl avvenimenti die lo riyiHtnldHo scritte dal commend atore Camilla Luigi de Rossi, Roma, 1843, Tip. dolle S. Congregazione di Propaganda Fide.

O pormenor do disfarce e imaginario, a darmos credito, como devemos de preferencia, u narrativa da evasao feita por este auctor, que foi segundo secretario da nunciatura, como tal tendo servldo em Lisboa e depois no Rio. Elle fornece informaqoes minu et osas da missao do seu chefe, da proclamada dedicagao de Ca- leppi ao Principe R Ogcnte, das difficuldades que isto Ihe trouxe com Junot, do receio que o nuncio tinha de um sequestro caso acceitasse a escolta franceza para a viagem por terra pela Hes- panha.

Monsenhor Caleppi e sua pequena comitiva embarcaram em Pcdrougos, pela calada da noite, n uma catraia, achando-se fora da barra a embarcaqao EstrcUa do Norte, que mediante o pagamento de 3.000 cruzados se compromettera a transportar a missao ao Brazil, viagem para que recebera passaporte das novas auctorida- des. O mar estava encapellado e nao foi sem grandes sustos e riscos que o nuncio chegou a bordo depois de vir a falla com um dos na- vios da esquadra inglez^a que bloqueava o portp de Lisboa. O al- mirante britannico Cotton, e,m commando, usou das maiores atten- c-oes para com o representante pontificio, o qual, a vista do estado da sua embarcagao, que ate fazia agua, e da continuada furia do oceano, se passou para a fragata de guerra Mediator, que o estava acompanhando rumo sul, e o conduziu para Plymouth, rebocando a Estrella do Norte para nao ir A matroca.

Recebido com as maiores demonstraqoes de respeito e estima na Tnglat-rra, onde aproveitou a curta estada para occupar-se da emancii)ti(;ao dos catholicos e da seguranga do Santo Padre, violen- tado segundo officialmente se dizia por nao ter querido fazer guerra aos Inglezes nos sens estados, monsenhor Caleppi partiu afinal para o Brazil, a 10 de Julho de 1808, n um navio de guerra - The -S /or/,- para este fim posto as suas ordens pelo governo bri tannico. Sua evasao tivera lugar a 18 de Abril.

�� �