Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/292

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


856 DOM JOAO VI NO BRAZIL

Vale a pena, para complemento do incidente e melhor comprehensao do meio diplomatico do momento, buscar na correspondencia de Maler o effeito produzido entre os agen- tes estrangeiros no Brazil pelo extraordinario episodic. Ma ler, concordando com o processo progressive, indo da adver- tencia a devolucao da nota, que Balk-Poleff dizia ser para casos taes o diplomatico, nao se furta a applaudir o primeiro protesto do representante russo, contra a restituigao da nota relativa as suas reclamagoes particulares, considerando-o "re- dige dans le vrai esprit qui doit guider tout individu appelle a remplir de si hautes fonctions", e como um testemunho authentico de que o embaixador soubera perfeitamente "con- cilier les egards qui sont dus a S. M. T. F. avec la dignite du caractere representatif dont il etait investi par S. M. 1 Empereur Alexandre". ( I )

A 22 de Maio transmittio o encarregado de negocios francez ao duque de Richelieu o resumo de uma entrevista solicitada por B-alk-Poleff e na qual este Ihe narrou miuda- mente todas as suas queixas do conde da Barca, para que d ellas pudesse ser informada a corte franceza. Foi ahi que Maler, pretextando nao querer fiar-se tao completamente em sua memoria "quand d apres la nature de ces communi cations, un seul mot change, ajoute ou omis devait occasion- ner une erreur sensible et une faute grave" -Ihe suggerio a idea de uma circular que Balk-Poleff disse de resto estar ja redigindo. A resposta a essa circular, quando para ella houve ensejo, nao satisfez no emtanto muito o embaixador russo que a desejaria ainda mais formal e abundante, ao que Maler se excusou comquanto reconhecesse serem-lhe com-

��(1) Kesposta a Balk-Poleff de 20 dp Maio de 181 T.

�� �