Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/324

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


888 DOM JOAO VI NO BRAZIL

numerosos milicianos para irem combater os revoltosos, e concorrendo no mesmo fim avultadas contribuicoes pecunia- rias. Somente na cidade do Rio ter-se-hiam apresentado 7.000 voluntaries e apurado 200 contos, n um calculo de Mello Moraes que, a vista da realidade de outras informa- goes, se me afigura encerrar gente a mais e dinheiro a menos.

O positive e que a exhibigao, n aquelle momento, de amor pelo soberano foi mais do que calorosa, foi delirante. No theatre, que ja comegava a ser o lugar capital das de- monstracoes politicas fluminenses, como acontecia em Pariz durante a Revolucao, agitavam-se lengos com o perfil do Rei e motes de devogao a sua pessoa e as instituicoes, dos quaes se havia fabricado dez mil; cantava-se o hymno es- cripto e composto para a occasiao; acclamava-se estrepito- samente o governante sagaz que tudo alias puzera em jogo para encarecer sua popularidade, apparecendo, mostrando- se, agitando-se, fazendo gala da sua actividade, elle tao sedentario, e da sua bonhomia, armando ao effeito com afa- digar-se muito ao serio para conseguir aquillo que foi quica, nos preparatives pois que a execugao Ihe escapou, a mais fina amostra, a mais forte expressao, o mais serio esforco da nossa moderna historia militar, somente comparavel ao que succedeu ao tempo da guerra do Paraguay.

O proprio Dom Joao VI devia ter sido o primeiro a sur- prehender-se do arranco, visto que finamente penetrara a antipathia dos seus subditos americanos aos services de guerra: tanto assim que, em conversacao com Maler (i), manifestou um dia o desejo - - que o filho mais tarde con- verteu em realidade - - de mandar vir, para encorporal-os

��(1) Officio do 22 de Sotombro do is Hi.

�� �