Página:Espontaneidades da minha alma.djvu/21

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

— 21 —

Sonhava vêl-a
Qual linda rosa,
Sempre viçosa,
E sempre bella.

Tão casta e pura,
Como revella
Brilhante estrella
Em noite escura.

Tão carinhosa
Como a ternura,
Na desventura,
De Mãe piedosa.

Desse extasis de amôr a si voltava,
Quando por ferrea mão ao chão prostrado,
Com força viu um ferro, traspassar-lhe,
D’aguda ponta, o adyto do peito,
E com voz de trovão ingente espectro,
Morre! — Perfido! Morre!» — assim bradar-lhe.
«— Tambem sonhava em noite umbrosa e feia,
Em longiquo sanctuario a horas mortas,
Onde languida luz vertendo apenas
De baça lampada luctuosas sombras,
Junto a aras sagradas soluçando
Pudibunda donzella, qu’ajoelhada
De amôr juras solemnes repetia:
E quando a dextra sua em laço eterno