Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/149

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
141
ESPUMAS FLUCTUANTES


E inaisá penha se conchega o rio...

— Dá-me inda um beijo, antes que a noite venha! —

E tu no ciiitanto no jardim vagavas,
Rosa de amor, celestial Maria...
Ai! como esquiva sobre o chão pisavas.
Ai! como alegre a tua ooca na...
E tu iioeintanto no jardim vagavas.

Eras a estrella transformada em virgem!
Eras um anjo, que se fez menina!
Tinhas das aves a celeste origem,
Tinhas da lua a pallidez divina,
Eras a estrella transformada em virgem!

Flor! Tu chegaste de outra flor mais perto,
Que bella rosa! que fragrância meiga!
Dir-se-ia um riso no jardim aberto,
Dir-se-ia um beijo, que nasceu na veiga...
Flor! Tu chegastes de outra flor mais perto!...

E eu, que escutava o conversar das flores,
Ouvi que a rosa murmurava ardente:

— Colhe-me, ó virgem, — não terei mais dores,
Guarda-me, ó bella, no teu seio quente... —

E eu escutava o conversar das flores.