Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/227

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
219
ESPUMAS FLUCTUANTES


Mário

Oh! que me importa?
A tarde doura-me o suor da fronte...
— Ultimo louro desta vida morta!

Crepusc′lo! mocidade! natureza!
Inundai de fulgor meu dia extremo...
Quero banhar-me em vagas de harmonia.
Como no lago se mergulha o remo!

E que amores que sonham as espheras!
A briza é de volúpia um calafrio.
A estrejla sae das folhas do infinito,
Sae dos musgos o verme luzidio...

Tudo que vive, que palpita e sente
Chama o par amoroso para a sombra.
O pombo arrula — preparando o ninho,
A abelha zumbe — preparando a alfombra.

As trevas rolam como as tranças negras,
Que a Andaluza desmancha em mago enleio;
E entre rendas subtis surge medrosa
A lua plena, qual moreno seio.