Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/287

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
279
ESPUMAS FLUCTUANTES


C;iiita\al Sn′ alma saía-llie em notas...
Mysterio ou milagre... (Juem pôde sabel-o?
As nymphas outrora mudavam-se em flore.s;
Em lyra tornara-se

A triste Consuelo!

Cruzavam-lhe o canto sussurros de archanjos,
Suspiros de Laura, delírios de Othelo...
Se os raios da lua de sons se fizessem,
Talvez que lembrassem

A voz de Consuelo!

Mas ai! que não acha na estrophe o poeta
Lampejo de um génio tão fulgido e bello;
Que versos te espelham, ó flor de′Veneza?
Quem pôde lembrar-te,

Divina Consuelo?

Sô vôs, bella diva! Da musica aos threnos,
Meu pallido sonho podeis aquecêl-o;
Afogue-se a musa nas árias brilhantes...
E se inda tu queres

Sonhar, ó Consuelo...

Com as mãos no piano, com os olhos no espaço,
Trementes os seios, revolto o cabello,
Num mar de harmonias me leva a Sorrento...
Transporta-me á!tália!

Revive, Consuelo!