Página:Fabulas de Esopo.djvu/170

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
170
FABULAS

Leão, e perguntou-lhe como estava, e que lhe abrisse, porque a queria lamber, que tinha virtude na lingua, e elle lambendo-a, logo havia de sarar. Respondeo a Rapoza de dentro: Não posso abrir, nem quero; creio que tem virtude a tua lingua, porém he tão má visinhança a dos dentes, que lhe tenho grande medo, e por tanto quero antes soffrer-me com meu mal.


MORALIDADE.


Avisa-nos esta Rapoza que quando nos offerecem alguma obra boa, notemos as circumstancias d'ella, que ás vezes são taes, que custão muito mais do que vale a obra pia.