Página:Flores do Mal (1924).pdf/207

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

LXXV

O Tonel do Rancor


O Rancor é o tonel das Danaidas alvíssimas;
A Vingança, febril, grandes olhos absortos,
Procura em vão encher-lhe as trevas profundíssimas,
Constante, a despejar pranto e sangue de mortos

O Diabo faz-lhe abrir uns furos misteriosos
Por onde se estravasa o líquido em tropel;
Mil anos de labor, de esforços fatigosos,
Tudo seria vão para encher o tonel.