Página:Iracema - lenda do Ceará.djvu/24

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
II

Além, muito além daquella serra, que ainda azula no horisonte, nasceu Iracema:

Iracema, a virgem dos labios de mel, que tinha os cabellos mais negros que a aza da graúna, e mais longos que seo talhe de palmeira.

O favo da jaty não era doce como seo sorriso; nem a baunilha recendia no bosque como seo halito perfumado.

Mais rapida que a corsa selvagem, a morena virgem corria o sertão e as matas do Ipú, onde campeava sua guerreira tribu, da grande nação tabajara. O pé gracile e nú, mal rosçando, alisava apenas a verde pellucia que vestia a terra com as primeiras aguas.

Um dia, ao pino do sol, ella repousava em um claro da floresta. Banhava-lhe o corpo a sombra