Página:Jornal das Famílias 1878 n11.djvu/26

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Esta página contém uma imagem. É necessário extraí-la e inserir o novo arquivo no lugar deste aviso.


POESIA.





A PRIMAVERA.


Vem, ó primavéra linda,
Com teu manto encantador;
Dando vida e dando brilho,
Do prado á relva e á flor.

Comtigo nasce alegria,
Para todo o coração;
Es um sorriso ineffavel
Que Deus manda á Creação.

Eu já vejo os verdes prados
De flores se matizarem;
E os alegres passarinhos,
Nas palmeiras se embalarem.

As noites limpas e frescas,
A briza á gemer contente,
As estrellas luminosas
E o céo azul transparente!...

E lá do fundo das mattas.
O saudoso rouxinol
Acorda os echos, saltando
Seus trinos ao pae do sol!