Página:O abolicionismo (1883).djvu/133

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

artigo inserido na Revue des Deux Mondes, talvez o último escrito que lhe saiu da pena. Hoje (1875) a lei de emancipação começa a dar fruto; o desenvolvimento da produção aumenta com o desenvolvimento do trabalho livre; o governo, surpreendido com os prodigiosos resultados obtidos, procura acelerá-los consagrando 6 milhões por ano à libertação dos últimos escravos.

Estas últimas palavras, das quais grifei uma, são significativas e realmente expressam o que o governo queria desde então que se acreditasse na Europa. Em 1875 apenas o fundo de emancipação havia sido distribuído pela primeira vez; e já o desenvolvimento da produção aumentava com o desenvolvimento do trabalho livre; o governo estava surpreendido com os prodigiosos resultados da lei, e consagrava 6 milhões de francos por ano (2.400 contos) à liberdade dos últimos escravos. Quem escrevia isso era um homem da autoridade do conde de Falloux, cujas relações com a família de Orléans provavelmente lhe deram alguma vez ensejo de ter informações oficiais, num assunto que particularmente interessa à biografia da princesa imperial. Era preciso todo o sentimento abolicionista de Cochin para ver através de todas elas o destino sempre o mesmo dos escravos, e foi isso que o levou a escrever: “A nova lei era necessária, mas é incompleta e inconsequente, eis aí a verdade”.

O país, porém, conhece a questão toda e sabe que depois da Lei