Página:Obras de Manoel Antonio Alvares de Azevedo v1.djvu/100

From Wikisource
Jump to navigation Jump to search


Dreams! dreams! dreams!
W. COWPER

 
Quando, à noite, no leito perfumado
Lânguida fronte no sonhar reclinas,
No vapor da ilusão por que te orvalha
Pranto de amor as pálpebras divinas?
 
E, quando eu te contemplo adormecida
Solto o cabelo no suave leito,
Por que um suspiro tépido ressona
E desmaia suavíssimo em teu peito?
 
Virgem do meu amor, o beijo a furto
Que pouso em tua face adormecida