Página:Obras de Manoel Antonio Alvares de Azevedo v1.djvu/139

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Cette image du cíel — innocence et beauté!
LAMARTINE


Por que, pálida inocência,
Os olhos teus em dormência
A medo lanças em mim?
No aperto de minha mão
Que sonho do coração
Tremeu-te os seios assim?
 
E tuas falas divinas
Em que amor lânguida afinas
Em que lânguido sonhar?
E dormindo sem receio