Página:Obras de Manoel Antonio Alvares de Azevedo v1.djvu/142

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


E como a vida é bela e doce e amável!

Não presta o espinhal a sombra ao leito
Do pastor do rebanho vagaroso,
Melhor que as sedas do lençol noturno
Onde o pávido rei dormir não pode?

SHAKESPEARE, Henrique VI, 3ª p.

 
Quando nas sestas do verão saudoso
A sombra cai nos laranjais do vale,
Onde o vento adormece e se perfuma...
E os raios d'oiro, cintilando vivos,
Como chuva encantada se gotejam
Nas folhas do arvoredo recendente,
Parece que de afã dorme a natura
E as aves silenciosas se mergulham
No grato asilo da cheirosa sombra.