Página:Obras de Manoel Antonio Alvares de Azevedo v1.djvu/197

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
— 187 —

Também, às vezes, seu alento apaga
Numa noite tranqüila!...





II

LAGRIMAS DE SANGUE


Taedet animam meam vitae meae.
JOB

 
Ao pé das aras, ao clarão dos círios,
Eu te devera consagrar meus dias...
Perdão, meu Deus! perdão...
Se neguei meu Senhor nos meus delírios
E um canto de enganosas melodias
Levou meu coração!
 
Só tu, só tu podias o meu peito
Fartar de imenso amor e luz infinda
E uma saudade calma!
Ao sol de tua fé doirar meu leito
E de fulgores inundar ainda
A aurora na minh'alma.