Página:Obras de Manoel Antonio Alvares de Azevedo v1.djvu/298

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
— 288 —

O que vês, trovador? — No céu formoso
Ao sopro dos favônios feiticeiros
Eu vejo — e tremo de paixão ao vê-las -
As nuvens a dormir, como carneiros.
 
E vejo além, na sombra do horizonte,
Como viúva moça envolta em luto,
Brilhando em nuvem negra estrela viva
Como na treva a ponta de um charuto.
 
Teu romantismo bebo, ó minha lua,
A teus raios divinos me abandono,
Torno-me vaporoso... e só de ver-te
Eu sinto os lábios meus se abrir de sono.





VI

O POETA MORIBUNDO


Poetas! amanhã ao meu cadáver
Minha tripa cortai mais sonorosa!...