Página:Obras de Manoel Antonio Alvares de Azevedo v1.djvu/77

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Hier, la nuit d'été, que nous prêtait ses voiles,

Était digne de toi, tant elle avait d'étoiles!

VICTOR HUGO

 
Na praia deserta que a lua branqueia,
Que mimo! que rosa! que filha de Deus!
Tão pálida... ao vê-la meu ser devaneia,
Sufoco nos lábios os hálitos meus!
Não corras na areia,
Não corras assim!
Donzela, onde vais?
Tem pena de mim!