Página:Obras de Manoel Antonio Alvares de Azevedo v1.djvu/81

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Fala-me, anjo de luz! és glorioso

À minha vista na janela à noite
Como divino alado mensageiro
Ao ebrioso olhar dos frouxos olhos
Do homem, que se ajoelha para vê-lo,
Quando resvala em preguiçosas nuvens,
Ou navega no seio do ar da noite.

ROMEU

 
Ai! quando de noite, sozinha à janela
Co'a face na mão te vejo ao luar,
Por que, suspirando, tu sonhas, donzela?
A noite vai bela,
E a vista desmaia
Ao longe na praia
Do mar!