Página:Obras de Manoel Antonio Alvares de Azevedo v3.djvu/54

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


O cônego Filipe! Ó nome eterno!
Cinzas ilustres que da terra escura,
Fazeis rir nos ciprestes as corujas!
Por que tão pobre lira o céu doou-me
Que não consinta meu inglório gênio
Em vasto e heróico poema decantar-te?
 
Voltemos ao assunto. A minha musa,
Como um falado imperador romano,
Distrai-se, às vezes, apanhando moscas.
Por estradas mais longas ando sempre: