Página:Obras de Manoel Antonio Alvares de Azevedo v3.djvu/96

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Talvez, à noite, quando a hora finda
Em que eu vivo de tua formosura,
Vendo em teus olhos... nessa face linda
A sombra de meu anjo da ventura,
Tu sorrias de mim porque não ouso
Leve turbar teu virginal repouso,
A murmurar ternura.
 
Eu sei. Entre minh'alma e tua aurora
Murmura meu gelado coração.
Meu enredo morreu. Sou triste agora,