Página:Paginas recolhidas.djvu/137

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


A estatua de José de Alencar

DISCURSO PROFERIDO NA CEREMONIA DO LANÇAMENTO DA PRIMEIRA PEDRA DA ESTATUA DE JOSÉ DE ALENCAR




SENHORES,

Tenho ainda presente a essa em que, por algumas horas últimas, pousou o corpo de José de Alencar. Creio que jamais o espetáculo da morte me fez tão singular impressão. Quando entrei na adolescência, fulgiam os primeiros raios daquele grande engenho; vi-os depois em tanta cópia e com tal esplendor que eram já um sol quando entrei na mocidade. Gonçalves Dias e os homens do seu tempo estavam feitos; Álvares de Azevedo, cujo livro era a boa-nova dos poetas, falecera antes de revelado ao mundo. Todos eles influíam profundamente no ânimo juvenil que apenas balbuciava alguma coisa; mas a ação crescente de Alencar dominava as outras. A sensação que recebi no primeiro encontro