Página:Poesias (Bernardo Guimarães, 1865).djvu/107

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
— 99 —

Sob o peso da cruz passa gemendo;
É de quem sobre as chagas do inditoso
Derrama o doce balsamo das lagrimas;
É do orphão infeliz, do ancião pesado,
Que da indigencia no bordão se arrima;
É do pobre captivo, que em trabalhos
No rude afan exhala o alento extremo;
— O céo é da innocencia e da virtude,
      O céo é do infortunio.

Repousa agora em paz, fiel escravo,
Que na campa quebraste os ferros teus,
No seio d’essa terra que regaste
      De prantos e suores.
E vós, que vindes visitar da morte
      O lugubre aposento,
Deixai cahir ao menos uma lagrima
De compaixão sobre essa humilde cova;
Ahi repousa a cinza do Africano,
      — O symbolo do infortunio.