Página:Poesias (Bernardo Guimarães, 1865).djvu/61

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
— 53 —

Quando infiltras meigos raios
Pelas ramas do arvoredo.

Pallida filha da noite,
Sempre és pura e maviosa;
Fulge-te o rosto formoso
Qual branca orvalhada rosa.

Eu amo teu manso brilho,
Que como olhar amoroso,
Vigilante á noite se abre
Sobre o mundo silencioso,

Ou como em beijo de paz,
Que o céo sobre a terra envia,
Na face d’ella espargindo
Silencio e melancolia.

Salve, ó flôr do ethereo campo,
Astro de meigo palor!
Tu serás, formosa estrella,
O fanal do meu amor.