Página:Poesias (Bernardo Guimarães, 1865).djvu/65

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
— 57 —

Veja sempre no horizonte
Tua luz serena e mansa,
Como um sorriso do céo,
Como um fanal de esperança.

Porém se o anjo celeste
Sua origem deslembrar,
E no lodo vil do mundo
As niveas azas manchar;

Ai! se louca profanando
De um puro amor a lembrança,
Em suas mãos sem piedade
Esmagar minha esperança,

Então, estrella formosa,
Cubra-te o rosto um bulcão,
E sepulta-te para sempre
Em perpetua escuridão!