Página:Poesias (Bernardo Guimarães, 1865).djvu/98

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
— 90 —

Nem moimento, nem piedosa lettra
Vem aqui illudir a lei do olvido;
Nem arvore funerea ahi susurra,
Prestando pia sombra ao chão dos mortos;
Nada quebra no lugubre recinto
A paz sinistra que rodêa os tumulos:
     Alli reina sózinha
Na hedionda nudez calcando as campas
A implacavel rainha dos sepulcros;
     E só de quando em quando
Vento da soidão passa gemendo,
E levanta a poeira dos jazigos.

Aqui tristes lembranças dentro d’alma
Eu sinto que se acordão, como cinza,
Que o vento de entre os tumulos revolve;
Meu infeliz irmão, aqui me surges,
Como a imagem de um sonho esvaecido,
E no meu coração sinto echoando,
Qual debil som de suspirosa aragem,
Tua voz querida a murmurar meu nome.
Pobre amigo! — no albor dos annos tenros,
Quando a esperança com donoso riso
     Nos braços te afagava,