Página:Poesias Completas (Machado de Assis).pdf/350

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DANTE
(Purgatorio, canto XXV.)

Acabára o ladrão, e, ao ar erguendo
As mãos em figas, deste modo brada:
« Olha, Deus, para ti o estou fazendo! »

E desde então me foi a serpe amada,
Pois uma vi que o collo lhe prendia,
Como a dizer: « não falarás mais nada? »

Outra os braços na frente lhe cingia
Com tantas voltas e de tal maneira
Que elle fazer um gesto não podia.

Ah! Pistoia, por que n’uma fogueira
Não ardes tu, se a mais e mais impuros,
Teus filhos vão nessa mortal carreira?