Página:Revista universal lisbonense 1847-12-09.djvu/5

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
5
REVISTA UNIVERSAL LIBONENSE.


Os depositos ficaram pouco providos. As fabricas da Covilhã augmeutaram, em consequência da sua maior extracção, o numero dos operários.


PREÇO DO TRIGO

8 Subiu em Vienna d’Austria e Madrid. Os governos d'estes dois estados tractavam de tomar as providencias indispensáveis sobre tam importante ponto. Em Portugal os resultados da colheita não foram taes, que o nosso governo possa deixar de tomar cautela, para evitar os perniciosos effeitos do monopolio, sem offender os direitos licitos do commercio.


ASSOCIAÇÃO COMMERCIAL DO PORTO.

9 No dia 3 do corrente devia haver reunião da assemblea geral dos accionistas, para se discutir sobre as providencias que conviria adoptar, para fazer diminuir o agio das notas do Banco de Lisboa.


BANCO DE INGLATERRA.
20 de novembro de 1847.
repartição d’emissão.

10 Notas em circulação £ 23,525:815


Divida do governo 
 £ 11.015:100
Outras hypotbecas 
 » 2 984:900
Ouro amoedado e em barra 
 » 8 315:033
Prata em barra 
 » 1.210:212

» 23.525:845



ACTOS OFFICIAES.

Sob este titulo daremos noticia dos actos officiaes que mais directamente interessarem a Agricultura, Industria e Commercio.


11 Por decreto de 25 de novembro foi supprimido O registo da Figueira de Caslello Rodrigo, dependente da alfandega de Villar Torpim.



PARTE LITTERARIA.

FUTURO LITTERARIO DE PORTUGAL E DO BRASIL.
Por occasião do leitura dos
PRIMEIROS CANTOS: POESIAS DO SR. A. GONÇALVES DIAS.

12 Bem como a infancia do homem a infancia das nações é vivida e esperançosa; bem como a velhice humana a velhice dellas é tediosa e melancholica. Separado da mãe patria, menos pela serie de acontecimentos inopinados, a que uma observação superficial lhe atribue a emancipação, do que pela ordem natural do progresso das sociedades, o Brazil, império vasto, rico, destinado pela sua situação, pelo favor da natureza, que lhe fadou a opulência, a representar um grande papel na historia do novo mundo, é a nação infante que sorri; Portugal é o velho aborrido e triste, que se volve dolorosamente no seu leito de decrepidez; que se lamenta de que os raios do sol se tornassem frouxos, de que se encurtassem os horisontes da esperança, de que um crepe funebre vele a face da terra. Perguntae, porem, ao povo infante, que cresce e se fortifica alem dos mares, que

se atira ridente pelo caminho da vida , se é verdade isso que diz o ancião na tristeza do seu vegetar inerte, e que , encostado na horda do tumulo, deplora, pobre tonto, o mundo que vae morrer!

Em Portugal, os espiritos que o antigo poeta designou pelo epitheto de bem nascidos; aquelles que ainda tentam esquivar-se no sanctuario da sciencia ou da poesia ao pego da podridão dissolvente que os cerca, no meio dos seus generosos esforços chegam a illudir a Europa com essas aspirações do futuro, que tambem n’elles não são mais do que uma illusão. As suas tentativas quasi fazem accreditar que para esta nação moribunda ainda resta urna esperança de regeneração; que nas veias varicosas d’este corpo semi-cadaver de novo se vae injectar sangue puro; que temos ainda algum destino a cumprir antes de nos amortalharmos no estandarte de D. João I ou na bandeira de Vasco da Gama , e de irmos emfim repousar no cimiterio da historia. O desengano chega, porém, em breve. O talento que forcejava por fugir do lethargo febril que nos consomme, retrocede ao entrar no templo, e volve ao lodaçal onde agonisamos. É que a turba que ahi se debate, ou apupa, ou lhe arroja adiante tropeços, ou o corrompe com dadivas e promessas; e fallando-lhe ás paixões más. ás ambições insensatas, lhe clama: vem refocillar-te no lodo. E, desanimado ou tentado, o talento despenha-se, e attufando-se no charco acceita as lisonjas ou o oiro immundo que lhe atiram, embriago-se com os outros perdidos, e renega da missão sacrosancta que se lhe destinara no ceu.

Que é feito de tantos engenhos que despontaram nesta nossa terra desde que a imprensa libertada chamou os que sentiam chammejar em si um espirito não vulgar ao convivio das intelligencias? Que é feito dessas tres ou quatro épochas em que, nos ultimos quinze annos, a mocidade parecia querer deixar inteiramente aos pequeninos homens-grandes do paiz o agitarem-se, o morderem-se, o devorarem-se acerca dos graves interesses, das profundas questões das bolhas de sabão políticas? Que é feito dessa phalange ardente, ambiciosa de uma gloria pura, que principiava a exercitar-se nas lides do entendimento? De tudo isso; de toda essa mocidade brilhante e esperançosa que resta? Algum crente solitário, que deplora em silencio a queda de tantos archanjos. Os outros sacerdotes, apostatando da religião das lettras, atiraram-se á arena das facções, e manchados pela baba dos odios civis, cubertos da lama das praças, arroxeados e sanguentos pelas punhadas do pugilato polilico, desbaratando em esforços estereis a seiva interior, lá vão disputando no meio de homens , gastos como a elligie de velha moeda, sôbre qual ha-de ser a fórma do ataúde, e como se talhará a mortalha, em que o cadaver de Portugal deve descer á sepultura. Que outra cousa, de feito, ha ahi sôbre que se dispute ainda?

Por isso, quando vejo começar a surgir entre nós um novo poeta; quando ouço a primeira harmonia que sussurra nas cordas de lyra noviça, quizera poder chegar-me escondidamente ao descuidado e inexperiente cantor, e dizer-lhe ao ouvido: cala-te, alma virgem e bella; cala-te, que estás n’um prostibulo! Olha, que elles não te ouçam! Se o teu hymno reboar por essas torpes alcovas, sabe que pouco tardará a hora de te prostituíres.

1..