Página:Til (Volume III e IV).djvu/226

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


O Mandu logo que ela chegara, atirou-lhe este mote.
Casca preta, bago branco,
Mas arde que não se agüenta:
Huê, que visaje é esta,
A fruita[1] virou pimenta?


— Qual, disse o Pereira. A moça está com sentido no pajem.

— Ora menina, deixe-se disso. O patife do Amâncio não vem cá!

— Está lá ao cheiro da cozinha! acudiu outro.

A crioula mordeu os beiços de cólera; e começou de rufar os dedos nas grades do portão. Quase ao mesmo tempo destacou na sombra um vulto, no qual logo se reconheceu o mulato.

— Não vem! exclamou a Florência

  1. Fruta em São Paulo é a jabuticaba, pela sua excelência. Alguns dizem aportuguesadamente fruita.