Página:Ultimos Sonetos.pdf/141

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DEMONIOS


A lingua vil, ignivoma, purpurea
Dos peccados mortaes bava e braveja,
Com os seres impolluidos mercadeja
Mordendo-os fundo, injuria sobre injuria.

É um grito infernal de atroz luxuria,
Dôr de damnados, dôr de Cháos que almeja.
A toda alma serena que viceja,
Só furia, furia, furia, furia, furia!