Pacto das Almas (II)

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pacto das Almas (II)
por Cruz e Sousa
Poema agrupado posteriormente e publicado em Últimos Sonetos


(A Nestor Vítor Por Devotamento e Admiração. Cruz e Sousa. 12/10/1897)

Longe de tudo

É livres, livres desta vã matéria,
Longe, nos claros astros peregrinos
Que havemos de encontrar os dons divinos
E a grande paz, a grande paz sidérea.

Cá nesta humana e trágica miséria,
Nestes surdos abismos assassinos
Teremos de colher de atros destinos
A flor apodrecida e deletéria.

O baixo mundo que troveja e brama
Só nos mostra a caveira e só a lama,
Ah! só a lama e movimentos lassos...

Mas as almas irmãs, almas perfeitas,
Hão de trocar, nas Regiões eleitas,
Largos, profundos, imortais abraços!