Pacto das Almas (III)

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pacto das Almas (III)
por Cruz e Sousa
Poema agrupado posteriormente e publicado em Últimos Sonetos


(A Nestor Vítor Por Devotamento e Admiração. Cruz e Sousa. 12/10/1897)

Alma da Almas

Alma da almas, minha irmã gloriosa,
Divina irradiação do Sentimento,
Quando estarás no azul Deslumbramento,
Perto de mim, na grande Paz radiosa?!

Tu que és a lua da Mansão de rosa
Da Graça e do supremo Encantamento,
O círio astral do augusto Pensamento
Velando eternamente a Fé chorosa,

Alma das almas, meu consolo amigo,
Seio celeste, sacrossanto abrigo,
Serena e constelada imensidade,

Entre os teus beijos de eteral carícia,
Sorrindo e soluçando de delícia,
Quando te abraçarei na Eternidade?!